Brasil precisa "dar um salto" em ciência e tecnologia, diz presidente da Finep


Autor/fonte: Agência Brasil
Tags: [ brasil ]



Digg del.icio.us

O presidente da Finep - Inovação e Pesquisa, Glauco Arbix, disse hoje (23) que, apesar dos avanços registrados na área da ciência, tecnologia e inovação, o Brasil ainda precisa "dar um salto" para superar a grande distância que o separa dos países mais avançados e das áreas de fronteira do conhecimento.

Ao participar do Simpósio Internacional Excelência no Ensino Superior, na Academia Brasileira de Ciências (ABC), o sociólogo disse que, se o país continuar no ritmo atual, "fazendo mais do mesmo", vai demorar muito tempo para ter expressão. Segundo ele, é preciso diversificar mais o sistema brasileiro de inovação. O seminário, aberto ontem (22), termina nesta quarta-feira (24), com representantes da comunidade científica, da indústria, do governo e de instituições internacionais discutindo como promover um salto de qualidade nas universidades brasileiras.

De acordo com Arbix, ocorreram no sistema de ciência e tecnologia fatos significativos, como a ampliação da infraestrutura de pesquisa, a multiplicação do número de fundações de Amparo à Pesquisa, a aprovação de leis estaduais de inovação e a preocupação dos governos em desenvolver essa política. O presidente da Finep lembrou que 7 mil empresas já desenvolvem práticas de pesquisa e desenvolvimento de forma constante no Brasil, incorporando-as em suas estratégias de crescimento.

A própria Finep deu “passos intensos” ao longo dos últimos anos no apoio a projetos de tecnologia inovadora, elevando os recursos disponíveis de R$ 120 milhões, em 2003, para cerca de R$ 12 bilhões, este ano. “O salto é gigantesco”, afirmou. A maior parte, estimada entre R$ 7 bilhões e R$ 8 bilhões, é voltada para crédito para empresas, enquanto os recursos para investimento em startups (empresas nascentes) e pequenas e médias empresas oscilam entre R$ 800 milhões e R$ 900 milhões. Os recursos destinados a atividades de centros de pesquisa e universidades somam R$ 2,2 bilhões. Há também as subvenções econômicas não reembolsáveis.

Para o sociólogo, a inovação feita no Brasil ainda é light, ou seja, é uma inovação "incremental", como chamam alguns técnicos. Ele informou que o período 2001-2015 deverá registrar um crescimento acelerado e relevante do investimento em ciência, tecnologia e inovação no âmbito dos ministérios. A pasta da Educação responde pela metade dos recursos, embora os números englobem salários dos professores. O Ministério da Saúde é o que mais eleva os investimentos em ciência, tecnologia e inovação, principalmente em pesquisa básica.

Mesmo assim, Arbix considera difícildade manter foco e prioridade nos investimentos nessa área. Não é um problema do atual governo, ressaltou. “Em qualquer governo, as dificuldades serão as mesmas, porque o cobertor é sempre curto.” O problema-chave é: “ou conseguimos potencializar e otimizar o recursos, ou teremos muita dificuldade em dar um salto em ciência, tecnologia e inovação´."

Para ele, além de ser necessário diversificar ainda mais o sistema, é fundamental saber que existem recursos e que, com “uma política mais inteligente que defina prioridades, hierarquias e focos, é possível potencializar os recursos para que sejam mais eficientemente usados”. A ideia é aumentar o conjunto de investimentos em 10% por ano, passando dos R$ 27,9 bilhões em recursos públicos colocados atualmente no setor para R$ 60 bilhões em dez anos.

O presidente da Finep informou que os investimentos em pesquisa e desenvolvimento respondem por 1,2% do produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços fabricados no país). Ciência e tecnologia, por sua vez, têm participação de 1,5% no PIB. “Para evoluir, é necessário investimento constante”, disse Arbix. De acordo com ele, os 12 programas da família Inova, destinados a apoiar projetos inovadores em vários setores produtivos, desenvolvidos em parceria pela Finep e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), registrou demanda de R$ 98 bilhões. Arbix estimou que, se a Finep e o BNDES executarem, cada um, 10% dessa demanda, o investimento em pesquisa e desenvolvimento dobrará.

Arbix defendeu a necessidade de um novo modelo de ciência, tecnologia e inovação para o país e a existência de um único fundo para abastecer de forma significativa a área. “Esse fundo se chama Fundo Social e é preciso haver um grupo de trabalho mexendo com isso”, disse ele. A proposta é trabalhar com 20% da metade do Fundo Social direcionados para a área de ciência, tecnologia e inovação, com acesso direto para ministérios e agências, para que estes possam investir no setor. Da outra metade, o Congresso Nacional já aprovou que 75% dos recursos irão para educação e 25% para saúde. O problema é fazer com que os recursos cheguem ao setor, enfatizou.




Enviado por xKuRt em 23/09/2014 às 20:00


Itens relacionados

Brasil terá telecentros em todos os municípios até o fim do mês, diz Hélio Costa
Baidu é lançado oficialmente no Brasil
Investimento em TI deve crescer 15% no Brasil em 2007
Celular cobrirá todo o Brasil até o final de 2009, prevê ANATEL
Dell produzirá no Brasil PC para emergentes
Uso de e-commerce e e-gov se restringe a menos de 14% dos internautas
Brasil está seis a nove meses atrás dos EUA em vitualização, diz VMware
Site propõe "greve de passageiros" no Brasil em 18 de agosto
Operadoras de celular querem mais espaço para explorar banda larga
Facebook tem 37 milhões de usuários no Brasil, revela companhia

Listar todos itens relacionados

Avaliação

Esta publicação ainda não foi avaliada!


Avaliar:


A avaliação de publicações é restrita a membros cadastrados e logados no nosso site.



Comentários

Este artigo ainda não foi comentado ou o(s) comentário(s) que foi(ram) enviado(s) a ele ainda não foi(ram) publicado(s).


Envio de comentário:




  

Quarta, 22 de Fevereiro de 2017




Top 5 membros

Últimos membros online

Últimos membros cadastrados



Capa do livro
Scrum em Ação - Gerenciamento e Desenvolvimento Ágil de Projetos de Software


Capa do livro
Informática na Educação: Novas Ferramentas Pedagógicas para o Professor na Atualidade


Capa do livro
Construindo Sites com CSS e (X)HTML





Hostnet

IMD