Fiasco do Facebook pode elevar debate sobre privacidade, defendem analistas


Autor/fonte: Heather Havenstein, editora do IDG News Service, de Framingham
E-mail/Url: http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2007/12/10/idgnoticia.2007-12-10.14...
Tags: [ facebook ] [ privacidade ]



Digg del.icio.us

10 de dezembro de 2007 às 14h20

A chuva de críticas que atingiram o serviço de propaganda Beacon, do Facebook na última semana, ironicamente, se provou como um desenvolvimento positivo para o movimento de privacidade online.

A rede social norte-americana foi obrigada a ajustar seu serviço dias após pesquisadores da CA descobrirem que o Beacon é muito mais intrusivo que o alegado.

Lançado no começo de novembro como parte do programa Facebook Ads, o Beacon registra as atividades dos membros da rede social em mais de 44 sites parceiros da plataforma e envia relatórios destas atividades para os amigos do usuário no Facebook. A análise da CA acusou também a plataforma de rastrear mesmo usuários que não têm contas na rede social.

Reclamações sobre as descobertas da CA rapidamente forçaram o Facebook a permitir que o usuário desabilite o sistema.

"Esta crise do Facebook é muito boa de certa maneira, já que mostra à comunidade o que está acontecendo", afirmou Pam Dixon, diretor-executivo do Fórum Mundial de Privacidade.

"Existem mais sites em outros lugares onde arranjos de dados similares acontecem, mas tudo agora está acontecendo sob o radar", afirmou Dixon.

Em post, o fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, se desculpou por problemas com o serviço.

"Simplesmente fizemos um péssimo trabalho com a função, e nos desculpamos por isto", disse. "Fizemos muitos erros ao construir a plataforma, mas fizemos ainda mais na hora de lidar com ela".

Kathryn Montgomery, professora de comunicação da Universidade American, afirma que o fato do Facebook permitir que usuários desabilitem o Beacon não mudará radicalmente as estratégias de marketing online traçadas por grandes empresas.

"Estas empresas", diz ela, "continuarão em marcha direta com a nova geração de práticas de marketing intrusivas baseadas em níveis nunca vistos de coleta de dados pessoais", prevê.




Enviado por xKuRt em 28/12/2007 às 15:46


Itens relacionados

Embaixador norte-americano nega monitoramento de metadados no Brasil
Google em disputa com legisladores europeus sobre privacidade
Privacidade online é reforçada nos EUA
Rede criada para garantir privacidade é alvo de ciberataques
Profissionais de TI bisbilhotam vida alheia
Participação de empresas em espionagem de dados de brasileiros seria crime, diz ministro
EUA espionaram cerca de 56 mil e-mails de cidadãos sem ligação com terrorismo
Google, Facebook e Microsoft negam acesso irrestrito dos EUA a informações de usuários
Facebook é acusado de violar privacidade de membros
Verme Koobface ataca as redes MySpace e Facebook

Listar todos itens relacionados

Avaliação

Esta publicação ainda não foi avaliada!


Avaliar:


A avaliação de publicações é restrita a membros cadastrados e logados no nosso site.



Comentários

Este artigo ainda não foi comentado ou o(s) comentário(s) que foi(ram) enviado(s) a ele ainda não foi(ram) publicado(s).


Envio de comentário:




  

Sábado, 23 de Julho de 2016




Top 5 membros

Últimos membros online

Últimos membros cadastrados



Capa do livro
Evitando Hackers: Controle Seus Sistemas Computacionais Antes Que Alguém o Faça!


Capa do livro
Computação Gráfica: Processamento de Imagens Digitais - Volume 2


Capa do livro
Javascript: O Guia Definitivo





Hostnet

IMD